FutureStarr

Imigração Nos Estados Unidos Resumo OOR

Imigração Nos Estados Unidos Resumo OOR

Imigração Nos Estados Unidos Resumo

via GIPHY

Em janeiro de 1930, funcionários do Departamento de Imigração dos Estados Unidos (Bureau of Immigration) testemunharam sobre a Patrulha de Fronteira (Border Patrol), em uma seção fechada do Comitê de Imigração da Câmara dos deputados (House Immigration Committee). Henry Hull, o Comissário Geral de Imigração, explicou que a Patrulha não operava "na linha de fronteira", mas sim até cem milhas "antes dela". A Patrulha de Fronteira, disse ele, era "uma organização de patrulhamento e de perseguição... [os Guardas] operam nas estradas sem mandados de prisão e sempre que eles encontram um estrangeiro eles o param. Se ele está ilegalmente no país, eles o levam para a sede da unidade".

Por

A deportação não foi inventada na década de 1920, mas foi naquela época que ela atingiu a maioridade. De certa forma, as provisões legais para a deportação de imigrantes indesejados existiam na América desde os tempos coloniais, tendo sido o princípio derivado das leis inglesas referentes aos pobres. Uma lei de Massachusetts de 1794, por exemplo, pedia a expulsão dos pobres das cidades e sua repatriação às cidades de onde eles vieram, ou "para qualquer outro Estado, ou qualquer lugar além-mar, onde ele pertença". A despesa da remoção transatlântica, no entanto, significou que as deportações para a Europa raramente aconteciam, se chegaram a acontecer. As Leis Referentes aos Estrangeiros e Sedição (Alien and Sedition Laws, 1798-1801) previam a exclusão e expulsão de estrangeiros por motivos políticos. Mas os americanos logo rejeitaram o princípio de remoção política durante os tempos de paz e a nação operou sem regulamento federal de imigração durante a maior parte do século XIX. A migração livre era crucial para a colonização e a industrialização da América, mesmo se os trabalhadores migrantes eles mesmos não fossem sempre livres.

O Congresso aprovou as primeiras leis federais restritivas quanto à entrada, em 1875, quando baniu pessoas condenadas por "crimes envolvendo depravação moral" e prostitutas (uma provisão que objetivava impedir que as mulheres chinesas entrassem no país). Durante os anos 80 do século XIX, o número de classes passíveis de expulsão cresceu, incluindo os retardados mentais, os trabalhadores contratados, as pessoas com "doenças perigosas, asquerosas e contagiosas", os pobres, os polígamos e os "imbecis" e "insanos", bem como os trabalhadores chineses. A ladainha de classes passíveis de expulsão enunciou uma preocupação em relação à admissão de pessoas que poderiam ser um "peso público" (real ou imaginado), bem como as crenças do final do século XIX, derivadas do Darwinismo Social e da antropologia criminal, que o corpo da nação tinha de ser protegido das contaminações da decadência social. (Source: www.scielo.br)

 

Related Articles